Carta de Chefe Índio

Carta do Chefe Seattle


“O que ocorrer com a terra, recairá sobre os filhos da terra. Há

uma ligação em tudo.”





No ano de 1854, o presidente dos Estados Unidos fez a uma tribo

indígena a proposta de comprar grande parte de suas terras,

oferecendo, em contrapartida, a concessão de uma outra “reserva”.

O texto da resposta do Chefe Seatlle, tem sido considerado, através

dos tempos, um dos mais belos e profundos pronunciamentos já feitos

a respeito da defesa do meio ambiente.


Como é que se pode comprar ou vender o céu, o calor da terra? Essa

ideia nos parece estranha. Se não possuímos o frescor do ar e o brilho

da água, como é possível comprá-los?


Cada pedaço desta terra é sagrado para meu povo. Cada ramo

brilhante de um pinheiro, cada punhado de areia das praias, a

penumbra na floresta densa, cada clareira e insecto a zumbir são

sagrados na memória e experiência de meu povo. A seiva que percorre

o corpo das árvores carrega consigo as lembranças do homem

vermelho.


Os mortos do homem branco esquecem sua terra de origem quando

vão caminhar entre as estrelas. Nossos mortos jamais esquecem esta

bela terra, pois ela é a mãe do homem vermelho. Somos parte da terra

e ela faz parte de nós. As flores perfumadas são nossas irmãs; o cervo,

o cavalo, a grande águia, são nossos irmãos. Os picos rochosos, os sulcos húmidos nas campinas, o calor do corpo do potro, e o homem – todos pertencem à mesma família.


Portanto, quando o Grande Chefe em Washington manda dizer que

deseja comprar nossa terra, pede muito de nós.


O Grande Chefe diz que nos reservará um lugar onde possamos viver

satisfeitos. Ele será nosso pai e nós seremos seus filhos. Portanto, nós

vamos considerar sua oferta de comprar nossa terra. Mas isso não será

fácil. Esta terra é sagrada para nós.


Essa água brilhante que escorre nos riachos e rios não é apenas água,

mas o sangue de nossos antepassados. Se lhes vendermos a terra,

vocês devem lembrar-se de que ela é sagrada, e devem ensinar as

suas crianças que ela é sagrada e que cada reflexo nas águas límpidas

dos lagos fala de acontecimentos e lembranças da vida do meu povo.